Liberdade de Exceção

“E não creiais que Allah está desatento a tudo quanto cometem os injustos. Ele somente os tolera, até ao dia em que seus olhos ficarão atônitos;” 14ª Surata (Abraão), versículo 42.

“Em verdade, eles conspiram intensivamente (contra ti), e Eu conspiro intensivamente (contra eles). Tolera, pois, os incrédulos; tolera-os, por ora !” 86ª Surata (O Visitante Noturno), versículos 15-17.

Estas duas passagens do Alcorão Sagrado dão margem a várias interpretações. Inclusive se fizermos o exercício dos dois pontos de vista: Ocidental e Oriental. Tanto serve ao fanatismo muçulmano quanto ao fanatismo cristão.

Com a polêmica que foi gerada nos útlimos dias com o filme americano e a charge francesa, as trincheiras se armaram em tempo recorde. Matéria d’O Globo de sexta-feira (21/09) mostra a repercussão nos governos americanos, francês e alemão sobre a polêmica e suas medidas preventivas, sobretudo fechamento de embaixadas. Cita também a reação dos veículos de imprensa envolvidos na polêmica, o francês Charlie Hebdo e o alemão Titanic.

Além disso, O Globo coloca o seu mini-editorial Opinião no meio do texto, que diz (entre outras coisas):

“É tão obscurantista quanto o próprio sectarismo a ideia de que o governo dos Estados Unidos é  responsável por qualquer manifestação na sociedade americana sobre Maomé ou quem quer que seja. Ora, a liberdade de expressão é um direito sólido no país (…)”

Talvez o diário carioca se esqueça da seguinte equação: EUA + Oriente Médio + Petróleo = Guerra. Invadir o território muçulmano sistematicamente há décadas em busca de petróleo, usando a falácia da democracia delivery como muleta: eis o cardápio. E qual o canal escolhido ? Bingo, a mídia. O que dizer da promiscuidade entre Casa Branca e Fox News, CNN, CBS e que tais ? Liberdade de expressão a serviço de algo.

Na revista Carta Capital nº 715, de 19/09, o professor Vladimir Safatle reflete sobre a questão fanatismo islâmico x liberdade de expressão. Segue:

“(…) Há de se fazer um reflexão a respeito do flme que serviu de estopim para tais ações. Permitir um filme dessa natureza, onde seu realizador afirma querer mostrar como o islamismo é um câncer, nada tem a ver com liberdade de expressão. Pois nunca a liberdade de expressão significou poder falar qualquer coisa de qualquer forma. Em toda a situação democrática, há afirmações não permitidas. (…)”

Claro. É uma sensação óbvia que sentimos quando assistimos, por exemplo, cenas de grupos neo-nazistas marchando, empunhando bandeiras e fazendo discursos racistas. Sentimos revolta, até nojo. Para nós, eles sequer deveriam existir. Muito menos se manifestar. Nesse caso, a liberdade de expressão nunca é invocada. Lógico, afinal, eles são extremistas, não são ? Safatle continua a sua reflexão:

“(…) É claro que  temos o direito de criticar dogmas religiosos. Não se segue daí, porém, que se possa fazer isso de qualquer forma. (…) Saber encontrar a forma adequada de crítica é o mínimo que se pode esperar no século XXI.”

Safatle também argumenta que os grupos islâmicos responsáveis pelos atentados contra as embaixadas recebem suporte logístico e, mais do que isso, moral e teocrático de países como a Arábia Saudita, a mais poderosa e saguinária ditadura do Oriente Médio. Principal aliada comercial, econômica, financeira e política de, adivinhem quem ?  Um BigMac pra quem acertar.

Interpretar os fatos, como as duas frases lá de cima, sem preconceitos: mais uma missão diária da imprensa. Boa sorte. Pros fatos.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Política Internacional

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s